Orgulho e saudade do meu querido pai, Santos Vicente

Hoje, sexta-feira, 20 de agosto de 2021, faz 20 anos que perdi meu pai num trágico acidente de carro, na estrada da Lapa perto de Curitiba. Ele estava com 73 anos e ainda tinha muita energia em vida. Projeto de uma nova família em Blumenau e era muito querido em sua terra Natal, minhas tias, suas irmãs que o digam.  Um músico que tocava por ouvido, sem partituras. Lembro-me quando era criança, costuma ouví-lo em casa com sua sanfona 80 baixos, uma Todeschini. Ficava admirado da desenvoltura dele, mesmo em seus dedos grossos e curtos, tinha muita agilidade. Foi aí que peguei gosto pelas artes, até me escondia depois para escrever letras de música, aos 8 anos. Este ano ele faria 93 anos e continua vivo em minha memória, nas lembranças de tantos aprendizados e exemplos. Ainda sonho muito com ele: sempre em paz, sereno e feliz. Era um homem justo, de coração enorme. Sempre alegre, adorava fazer amizades e jogar conversa fora. Tinha paixão, além da música, pelo futebol e coincidência ou não, seu nome era Santos, então adivinhe? O time do Pelé que ele torcia, Santos FC e eu acabei sendo influenciado. Embora, depois eu tenha me apaixonado pelo Athlético paranaense na época do grande Sicupira, camisa 7, um goleador.

Então, sempre estou lembrando de seu estilo de vida e tantas coisas que ele me proporcionou, mas eu não sabia reconhecer. Desde minha infância e depois na juventude eu só sabia ser rebelde e não reconhecia seus ensinamentos. Estava egoísta, manhoso e só queria me vitimar das circunstâncias da vida pela falta da mãe. Houve uma época em que eu cheguei a ter vergonha dele nos sustentar com uma oficina de bicicletas, enquanto eu, com uma bolsa de estudos, que ele conseguiu com um deputado, frequentava colégio particular. Quanta estupidez. Isso, nunca me perdoei. Ele sempre me incentivou a estudar e ser alguém digno das relações humanas. Trabalhar, sem preguiça e com honestidade e profissionalismo.

Agora, sinto que tudo foi como deveria ter sido e isso me deixa em paz. Tenho fé que sou digno de seu legado e ele, onde quer que esteja, está bem, iluminado e serenamente em paz.

Queria falar mais, dizer tantas coisas merecidas, mas a data pede essa singela lembrança de coração e de olhos brilhantes. Só tenho orgulho do pai que tive e espero que ele também possa iluminar meus pensamentos e apaziguar essa falta que não se traduz, apenas se sente.

Mario Vicenti

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

4 comentários em “Orgulho e saudade do meu querido pai, Santos Vicente”

  1. Mônica Arali Vicente Bruxel

    Parabéns Mario, pela bela mensagem, pro tio Santos. Ele sempre foi muito especial, e sempre quando nos visitava era um momento especial, nossa mãe Marina, também adorava ele. Abraços primo. 🙌😘

    1. Oi prima, com certeza. Obrigado pelo carinho e lembrança. AS estimadas tias….Ainda tenho uns textos da tia Marina ora dessas vou escrever algo sobre nosso avô que ela anotou e queria que eu fizesse algo, infelizmente, não deu tempo…Abraços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *