O dia em que a poesia derrotou um ditador

Em O dia em que a poesia derrotou um ditador, acompanhamos o cotidiano de duas famílias cujas vidas estão íntima e irrevogavelmente ligadas à história do Chile e a seu despertar para a liberdade. Em uma quarta-feira de 1988, Santos, professor de filosofia de uma das escolas mais tradicionais de Santiago, é levado pela polícia durante uma de suas aulas.

Resenha do livro:

Em O dia em que a poesia derrotou um ditador, acompanhamos o cotidiano de duas famílias cujas vidas estão íntima e irrevogavelmente ligadas à história do Chile e a seu despertar para a liberdade. Em uma quarta-feira de 1988, Santos, professor de filosofia de uma das escolas mais tradicionais de Santiago, é levado pela polícia durante uma de suas aulas. Prisões como aquela não são raras no Chile de então, mas para Nico, que assiste à cena junto aos outros alunos, dessa vez é diferente. Ele é filho do professor, e a partir desse momento a única coisa que pode fazer é encontrar uma forma de ter o pai de volta. A namorada de Nico lhe dá apoio, mas a família de Patricia Bettini também sente os efeitos da ditadura instaurada em 1973. Seu pai, Adrián Bettini, outrora um bem-sucedido publicitário, agora é boicotado pelo regime e sobrevive fazendo pequenos trabalhos informais. Uma luz aparece no fim do túnel: pressionado pela comunidade internacional, Pinochet anuncia um plebiscito pelo qual a população decidirá se o general pode ou não concorrer a um novo mandato. É a chance de Adrián retomar sua carreira, e de Santos, como tantas outras vítimas da repressão política, encontrar a liberdade. Enquanto Nico procura notícias sobre o paradeiro do pai, temendo a todo instante receber a pior delas, Adrián assume a campanha do "Não" à reeleição de Pinochet. Ele tem apenas quinze minutos de propaganda na TV para transformar a história do Chile. Quinze minutos, contra os quinze anos de Pinochet à frente do país, para convencer uma nação de que vale a pena lutar pela democracia. Em O dia em que a poesia derrotou um ditador, Antonio Skármeta, um dos principais autores chilenos das últimas décadas, tece, com sua prosa delicada, uma narrativa impactante sobre a relação entre pais e filhos em momentos difíceis da história e sobre como a alegria conseguiu devolver as cores a um país silenciado.

Antonio Skármeta nasceu em Antofagasta, no Chile

Sobre o autor (2021) Antonio Skármeta nasceu em Antofagasta, no Chile, e se formou em filosofia e literatura pela Universidade do Chile e por Columbia, em Nova York. Seus romances e contos foram traduzidos para 35 idiomas. O carteiro e o poeta foi sucesso mundial e serviu como base para o filme homônimo, que recebeu cinco indicações ao Oscar. É autor ainda, entre outros livros, de Um pai de cinema e Neruda por Skármeta, ambos publicados pela Editora Record. Um pai de cinema ganhou uma adaptação cinematográfica dirigida e produzida por Selton Mello. Skármeta recebeu importantes prêmios literários internacionais, como o Médicis, a Medalha Goethe e o Prêmio Mundial de Literatura Infantil da Unesco. Foi embaixador do Chile na Alemanha de 2000 a 2003 e hoje vive em seu país, dedicando-se apenas à literatura.Informações bibliográficasTítuloO dia em que a poesia derrotou um ditadorAutorAntonio SkármetaEditoraEditora Record, 2021ISBN6555873701, 9786555873702Num. págs.224 páginas

Leia também

Ninfeias negras

Compre aqui

Giverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho

Veja mais

o amor nos tempos do cólera

logo mercado livre Compre aqui

Ainda muito jovem, o telegrafista, violinista e poeta Gabriel Eligio García se apaixonou por Luiza Santiago Márquez...

Veja mais